Notícias da Cultura

    São João da Parnaíba vai ter versão on-line


    Em decorrência do cancelamento do XX São João da Parnaíba em seu formato tradicional, para o ano de 2020, ocasionado pela pandemia, pensamos que seria válido buscar e planejar formas alternativas de promover o setor cultural - o primeiro diretamente impactado pela atual crise na saúde mundial. E o São João da Parnaíba é, sem dúvida alguma, a maior e mais significativa expressão cultural de Parnaíba. Remonta à história da cidade e o destaque que teve por volta do século XVIII em sua primeira atividade comercial com a criação de gado, o comércio do charque e a produção leiteira.

    Num momento em que a economia está fragilizada e o setor cultural sofre esse impacto tão diretamente, a reafirmação da importância do setor por meio de uma programação exclusivamente cultural, durante 30 dias, foi pensada para dar visibilidade a quem faz cultura na cidade, afinal, Cultura não é sobre coisas, é sobre pessoas e suas sensações e costumes.

    A equipe trabalha agora finalizando as parcerias e na preparação dos contéudos - histórias, depoimentos, curiosidades, podcasts, bate-papos, vídeos, lives do tipo talk e show, culinária e outras surpresas - para fechar a programação que terá início no dia 01 de Junho e segue até 30 de Junho - 30 dias de São João on-line para você. Acompanhe pelo instagram oficial da Superintendência de Cultura @culturaphb, a partir das 19h

    A programação está sendo preparada com muito zelo e cuidado para que você fique em casa o máximo que puder e tenha entretenimento e informação de qualidade:

    TODA SEGUNDA
    De primeiro
    Histórias do São João da Parnaíba

    TODA TERÇA
    Lavando a burra
    Live food: bate-papo e preparação de um prato da culinária típica do São João

    TODA QUARTA
    Caçando conversa
    Live Talk: bate-papo com autores de livros e pesquisas sobre o São João da Parnaíba

    TODA QUINTA
    Brilham Estrelas de São João
    Live Talk: bate-papo com os campeões do XIX São João da Parnaíba

    TODA SEXTA E SÁBADO
    Xote, baião no salão
    Live Show com artistas locais

    TODO DOMINGO
    Mulher-macho, sim senhor
    Histórias de mulheres que são verdadeiras lideranças no São João da Parnaíba






    São João da Parnaíba vai ter versão on-line

    Posted by Alessandra


    Em decorrência do cancelamento do XX São João da Parnaíba em seu formato tradicional, para o ano de 2020, ocasionado pela pandemia, pensamos que seria válido buscar e planejar formas alternativas de promover o setor cultural - o primeiro diretamente impactado pela atual crise na saúde mundial. E o São João da Parnaíba é, sem dúvida alguma, a maior e mais significativa expressão cultural de Parnaíba. Remonta à história da cidade e o destaque que teve por volta do século XVIII em sua primeira atividade comercial com a criação de gado, o comércio do charque e a produção leiteira.

    Num momento em que a economia está fragilizada e o setor cultural sofre esse impacto tão diretamente, a reafirmação da importância do setor por meio de uma programação exclusivamente cultural, durante 30 dias, foi pensada para dar visibilidade a quem faz cultura na cidade, afinal, Cultura não é sobre coisas, é sobre pessoas e suas sensações e costumes.

    A equipe trabalha agora finalizando as parcerias e na preparação dos contéudos - histórias, depoimentos, curiosidades, podcasts, bate-papos, vídeos, lives do tipo talk e show, culinária e outras surpresas - para fechar a programação que terá início no dia 01 de Junho e segue até 30 de Junho - 30 dias de São João on-line para você. Acompanhe pelo instagram oficial da Superintendência de Cultura @culturaphb, a partir das 19h

    A programação está sendo preparada com muito zelo e cuidado para que você fique em casa o máximo que puder e tenha entretenimento e informação de qualidade:

    TODA SEGUNDA
    De primeiro
    Histórias do São João da Parnaíba

    TODA TERÇA
    Lavando a burra
    Live food: bate-papo e preparação de um prato da culinária típica do São João

    TODA QUARTA
    Caçando conversa
    Live Talk: bate-papo com autores de livros e pesquisas sobre o São João da Parnaíba

    TODA QUINTA
    Brilham Estrelas de São João
    Live Talk: bate-papo com os campeões do XIX São João da Parnaíba

    TODA SEXTA E SÁBADO
    Xote, baião no salão
    Live Show com artistas locais

    TODO DOMINGO
    Mulher-macho, sim senhor
    Histórias de mulheres que são verdadeiras lideranças no São João da Parnaíba






    Pesquisa objetiva obter e interpretar dados sobre o perfil do profissional em cultura de Parnaíba

    A Superintendência de Cultura e o Carnaúba Valley - o ecossistema de tecnologia, inovação e empreendedorismo digital de Parnaíba - elaboraram um formulário que visa a obtenção de dados sobre a situação dos trabalhadores em cultura do município. 
    Com a pandemia do Coronavírus - COVID19, o setor cultural foi o primeiro diretamente impactado, uma vez que teve todas as suas atividades interrompidas de imediato, o que resultou no cancelamento de eventos, fechamento de casas noturnas, bares e espaços culturais, ocasionando um grande impacto na economia movimentada pelo setor. Segundo o site do Governo Federal, a Cultura foi reponsável, em 2018, por 2,64% do Produto Interno Bruto (PIB) – toda a riqueza gerada no País –, gerando empregos, renda e levando desenvolvimento aos brasileiros. Atualmente, toda essa cadeia de empregos, que envolve a música, a dança, as exposições, o teatro, a produção de eventos, encontra-se comprometida.
    A classe atualmente aguarda pela aprovação da Lei Aldir Blanc, elaborada para dar apoio emergencial a esses profissionais.

    O Carnaúba Valley, coordenado pelo professor Rodrigo Baluz, vem realizando semanalmente, lives que abordam e discutem temas como inovação, criatividade e empreendedorismo - tão necessários à sobrevivência financeira de qualquer negócio, inclusive os negócios de natureza cultural. A exemplo disso, semanas atrás, o cantor Marlon Dreher foi convidado para discutir sobre a situação da música nesse período.
    Em Parnaíba, há um considerável número de profissionais que têm no setor cultural a sua principal fonte de renda. Mas não há dados precisos sobre esses números e sobre a dimensão do impacto dessa pausa nas atividades culturais na cidade, sobre esses trabalhadores.

    Em busca dessa informação e como uma forma de melhor compreender o cenário que envolve os profissionais da cultura em Parnaíba, a Superintendência de Cultura e o Carnaúba Valley trabalharão juntos na avaliação e interpretação dos dados obtidos na pesquisa, para que possam ser inclusive utilizados para justificar ações mais efetivas que beneficiem a classe. É fundamental a colaboração dos trabalhadores em cultura com o preenchimento do formulário. Os dados pessoais informados não serão publicados, apenas contabilizados com as demais respostas.  Informações como nome, servem apenas para reforçar a veracidade das respostas.

    Acesse o formulário aqui.


    Pesquisa objetiva obter e interpretar dados sobre o perfil do profissional em cultura de Parnaíba

    Posted by Alessandra

    A Superintendência de Cultura e o Carnaúba Valley - o ecossistema de tecnologia, inovação e empreendedorismo digital de Parnaíba - elaboraram um formulário que visa a obtenção de dados sobre a situação dos trabalhadores em cultura do município. 
    Com a pandemia do Coronavírus - COVID19, o setor cultural foi o primeiro diretamente impactado, uma vez que teve todas as suas atividades interrompidas de imediato, o que resultou no cancelamento de eventos, fechamento de casas noturnas, bares e espaços culturais, ocasionando um grande impacto na economia movimentada pelo setor. Segundo o site do Governo Federal, a Cultura foi reponsável, em 2018, por 2,64% do Produto Interno Bruto (PIB) – toda a riqueza gerada no País –, gerando empregos, renda e levando desenvolvimento aos brasileiros. Atualmente, toda essa cadeia de empregos, que envolve a música, a dança, as exposições, o teatro, a produção de eventos, encontra-se comprometida.
    A classe atualmente aguarda pela aprovação da Lei Aldir Blanc, elaborada para dar apoio emergencial a esses profissionais.

    O Carnaúba Valley, coordenado pelo professor Rodrigo Baluz, vem realizando semanalmente, lives que abordam e discutem temas como inovação, criatividade e empreendedorismo - tão necessários à sobrevivência financeira de qualquer negócio, inclusive os negócios de natureza cultural. A exemplo disso, semanas atrás, o cantor Marlon Dreher foi convidado para discutir sobre a situação da música nesse período.
    Em Parnaíba, há um considerável número de profissionais que têm no setor cultural a sua principal fonte de renda. Mas não há dados precisos sobre esses números e sobre a dimensão do impacto dessa pausa nas atividades culturais na cidade, sobre esses trabalhadores.

    Em busca dessa informação e como uma forma de melhor compreender o cenário que envolve os profissionais da cultura em Parnaíba, a Superintendência de Cultura e o Carnaúba Valley trabalharão juntos na avaliação e interpretação dos dados obtidos na pesquisa, para que possam ser inclusive utilizados para justificar ações mais efetivas que beneficiem a classe. É fundamental a colaboração dos trabalhadores em cultura com o preenchimento do formulário. Os dados pessoais informados não serão publicados, apenas contabilizados com as demais respostas.  Informações como nome, servem apenas para reforçar a veracidade das respostas.

    Acesse o formulário aqui.


    A esperança equilibrista: entenda como funciona a Lei Aldir Blanc de apoio emergencial ao setor cultural


    A Câmara Federal aprovou nesta terça (26) projeto que destina R$ 3 bilhões para o pagamento de renda mensal a trabalhadores da cultura, manutenção dos espaços artísticos e para ações que ajudem o setor a enfrentar a pandemia do novo coronavírus. 
    Segundo o site do Governo Federal, a Cultura foi reponsável, em 2018, por 2,64% do Produto Interno Bruto (PIB) – toda a riqueza gerada no País –, gerando empregos, renda e levando desenvolvimento aos brasileiros. Com a pandemia, o setor cultural foi um dos primeiros a terem suas atividades totalmente interrompidas, o que causou um impacto gigantesco e afetou diretamente os profissionais do setor.

    O texto, batizado como Lei Aldir Blanc, foi aprovado em votação simbólica. Agora, segue para o Senado, antes de ir para sanção ou veto presidencial. Homenageado com o nome da lei, o compositor Aldir Blanc faleceu vítima de Covid-19 no dia 4 de maio de 2020, aos 73 anos. Estava internado no Hospital Universitário Pedro Ernesto, localizado em Vila Isabel, Zona Norte do Rio de Janeiro. É mais um grande nome das artes vitimado pela pandemia. 
    Aldir Blanc (Imagem: Brasil Music Exchange)
    Na lista de profissionais que têm direito ao auxílio estão artistas, produtores, técnicos e trabalhadores que atuem na cadeia de produção do setor cultural. Eles terão direito a uma renda emergencial de R$ 600 por três meses, valor retroativo a 1º de junho, caso o projeto seja sancionado após essa data. Uma vez aprovado, a Superintendência de Cultura estará à disposição dos agentes culturais para orientações e  esclarecimento de dúvidas.

    Veja como fica a lei caso seja aprovada 

    Que trabalhador poderá receber?
    Para ter direito ao auxílio emergencial, o trabalhador precisa comprovar atuação nas áreas artística e cultural nos últimos dois anos e deve ter tido, no ano de 2018, rendimentos tributáveis de até R$ 28.559,70.

    Que artista não pode receber o auxílio?
    • Quem tem emprego formal ativo;
    • Titular de benefício previdenciário ou assistencial;
    • Beneficiário do seguro-desemprego e de programa de transferência de renda federal, com exceção do Bolsa Família;
    • Aqueles que já recebem o auxílio emergencial do governo pago a trabalhadores informais.

    Que empresa poderá receber?

    Espaços culturais e artísticos, micro e pequenas empresas culturais, organizações culturais comunitárias, cooperativas e instituições culturais com atividades suspensas. Será preciso comprovar que consta em ao menos um dos cadastros públicos existentes (estadual, municipal, distrital ou de pontos de cultura).

    Há restrições?

    A ajuda terá valor mínimo de R$ 3.000 e máximo de R$ 10 mil. O texto proíbe que o benefício seja concedido a espaços culturais vinculados à administração pública de qualquer esfera, assim como a fundações e institutos mantidos por grupos de empresas.

    Como será distribuído o total dos recursos pelo país? 

    Todos os estados receberão uma fatia do auxílio, que será repassado também ao Distrito Federal e a municípios. No caso das cidades, elas terão prazo máximo de 60 dias, contados da descentralização, para a destinação dos recursos previstos. Será exigida alguma contrapartida? Sim, dos espaços culturais, que ficam obrigados a garantir, após o reinício das atividades, a realização de atividades destinadas, prioritariamente, aos alunos de escolas públicas ou em espaços públicos de sua comunidade, de forma gratuita.

    Da Redação, com informações do Diário do Nordeste

    A esperança equilibrista: entenda como funciona a Lei Aldir Blanc de apoio emergencial ao setor cultural

    Posted by Alessandra


    A Câmara Federal aprovou nesta terça (26) projeto que destina R$ 3 bilhões para o pagamento de renda mensal a trabalhadores da cultura, manutenção dos espaços artísticos e para ações que ajudem o setor a enfrentar a pandemia do novo coronavírus. 
    Segundo o site do Governo Federal, a Cultura foi reponsável, em 2018, por 2,64% do Produto Interno Bruto (PIB) – toda a riqueza gerada no País –, gerando empregos, renda e levando desenvolvimento aos brasileiros. Com a pandemia, o setor cultural foi um dos primeiros a terem suas atividades totalmente interrompidas, o que causou um impacto gigantesco e afetou diretamente os profissionais do setor.

    O texto, batizado como Lei Aldir Blanc, foi aprovado em votação simbólica. Agora, segue para o Senado, antes de ir para sanção ou veto presidencial. Homenageado com o nome da lei, o compositor Aldir Blanc faleceu vítima de Covid-19 no dia 4 de maio de 2020, aos 73 anos. Estava internado no Hospital Universitário Pedro Ernesto, localizado em Vila Isabel, Zona Norte do Rio de Janeiro. É mais um grande nome das artes vitimado pela pandemia. 
    Aldir Blanc (Imagem: Brasil Music Exchange)
    Na lista de profissionais que têm direito ao auxílio estão artistas, produtores, técnicos e trabalhadores que atuem na cadeia de produção do setor cultural. Eles terão direito a uma renda emergencial de R$ 600 por três meses, valor retroativo a 1º de junho, caso o projeto seja sancionado após essa data. Uma vez aprovado, a Superintendência de Cultura estará à disposição dos agentes culturais para orientações e  esclarecimento de dúvidas.

    Veja como fica a lei caso seja aprovada 

    Que trabalhador poderá receber?
    Para ter direito ao auxílio emergencial, o trabalhador precisa comprovar atuação nas áreas artística e cultural nos últimos dois anos e deve ter tido, no ano de 2018, rendimentos tributáveis de até R$ 28.559,70.

    Que artista não pode receber o auxílio?
    • Quem tem emprego formal ativo;
    • Titular de benefício previdenciário ou assistencial;
    • Beneficiário do seguro-desemprego e de programa de transferência de renda federal, com exceção do Bolsa Família;
    • Aqueles que já recebem o auxílio emergencial do governo pago a trabalhadores informais.

    Que empresa poderá receber?

    Espaços culturais e artísticos, micro e pequenas empresas culturais, organizações culturais comunitárias, cooperativas e instituições culturais com atividades suspensas. Será preciso comprovar que consta em ao menos um dos cadastros públicos existentes (estadual, municipal, distrital ou de pontos de cultura).

    Há restrições?

    A ajuda terá valor mínimo de R$ 3.000 e máximo de R$ 10 mil. O texto proíbe que o benefício seja concedido a espaços culturais vinculados à administração pública de qualquer esfera, assim como a fundações e institutos mantidos por grupos de empresas.

    Como será distribuído o total dos recursos pelo país? 

    Todos os estados receberão uma fatia do auxílio, que será repassado também ao Distrito Federal e a municípios. No caso das cidades, elas terão prazo máximo de 60 dias, contados da descentralização, para a destinação dos recursos previstos. Será exigida alguma contrapartida? Sim, dos espaços culturais, que ficam obrigados a garantir, após o reinício das atividades, a realização de atividades destinadas, prioritariamente, aos alunos de escolas públicas ou em espaços públicos de sua comunidade, de forma gratuita.

    Da Redação, com informações do Diário do Nordeste

    Aulas on-line: Escola de Música Dona Mana está com matrículas abertas

    Aprender a tocar um instrumento musical traz, comprovadamente, inúmeros benefícios à saúde física e mental.
    E é uma das atividades recomendadas para este período de pandemia e distanciamento social.
    A Escola de Música Dona Mana está fazendo matrículas para novos alunos e tem as seguintes vagas:
    • Flauta transversal - 1 vaga
    • Clarinete Sib - 12 vagas
    • Bombardino Sib - 3 vagas
    • Sax Horne Mib - 6 vagas
    • Trompete Sib - 4 vagas
    • Saxofone Alto Mib - 2 vagas
    • Saxofone Tenor Sib - 2 vagas
    Devido à pandemia, as aulas estão sendo realizadas neste primeiro momento, na modalidade on-line, por meio de videoaulas. 
    Faça sua inscrição! É 100% gratuito! As inscrições podem ser feitas por meio do número 86 99848-5823 - Heliane.

    A Escola de Música Dona Mana foi fundada em 2017, tem sede na Casa Grande de Simplício Dias da Silva e é coordenada e dirigida pela Banda Municipal, com apoio da Superintendência de Cultura.



    Aulas on-line: Escola de Música Dona Mana está com matrículas abertas

    Posted by Alessandra

    Aprender a tocar um instrumento musical traz, comprovadamente, inúmeros benefícios à saúde física e mental.
    E é uma das atividades recomendadas para este período de pandemia e distanciamento social.
    A Escola de Música Dona Mana está fazendo matrículas para novos alunos e tem as seguintes vagas:
    • Flauta transversal - 1 vaga
    • Clarinete Sib - 12 vagas
    • Bombardino Sib - 3 vagas
    • Sax Horne Mib - 6 vagas
    • Trompete Sib - 4 vagas
    • Saxofone Alto Mib - 2 vagas
    • Saxofone Tenor Sib - 2 vagas
    Devido à pandemia, as aulas estão sendo realizadas neste primeiro momento, na modalidade on-line, por meio de videoaulas. 
    Faça sua inscrição! É 100% gratuito! As inscrições podem ser feitas por meio do número 86 99848-5823 - Heliane.

    A Escola de Música Dona Mana foi fundada em 2017, tem sede na Casa Grande de Simplício Dias da Silva e é coordenada e dirigida pela Banda Municipal, com apoio da Superintendência de Cultura.



    Destaque

    Pesquisa objetiva obter e interpretar dados sobre o perfil do profissional em cultura de Parnaíba

    A Superintendência de Cultura e o Carnaúba Valley - o ecossistema de tecnologia, inovação e empreendedorismo digital de Parnaíba - elabo...

    back to top